Escolha uma Página

Linguagem corporal

Postado por Janine Souza em 14 de maio de 2012 – Entrevista

http://www.correiodopovo.com.br/blogs/planodecarreira/?p=207

Camargo fala sobre linguagem corporal no ESARH neste mês (Foto: Divulgação / CP)

Em média, 65% das informações emitidas são não verbais. Fique atento a gestos e atitudes que podem fazer a diferença no trabalho

O corpo fala e essa linguagem diz muito sobre pessoas e situações. Pode entregar uma mentira, demonstrar o nervosismo, mas também ajuda a aumentar a credibilidade junto à empresa. Quem dá dicas de como observar a linguagem corporal no mundo dos negócios é o especialista no assunto, Paulo Sergio de Camargo. Ele ministrará a oficina “Linguagem Corporal: Técnicas para aprimoramento e aperfeiçoamento nas relações empresariais”, durante o Encontro Sul-Americano de Recursos Humanos (Esarh), que será realizado entre os dias 21 e 23 deste mês, em Gramado.

CP – Em quanto a comunicação está baseada nos gestos e atitudes?

Camargo – Em média 65% das informações são não verbais e cerca de 35% verbais. Algumas vezes, basta apenas mudar o tom de voz para que a mensagem seja exatamente o contrário daquilo que verbalizamos. Em outras, basta um olhar de reprovação para responder determinada pergunta.

CP – De que forma o corpo se comunica no ambiente de trabalho?

Camargo – A começar pela roupa, cabelo, limpeza de unha, caminhar, posição da cabeça, olhar. O aperto de mão forte, por si, já é um indicativo de firmeza. Em algumas regiões, o homem que dá um aperto de mão frouxo é considerado pouco confiável ou fraco. O sorriso é considerado um dos principais meios para se comunicar de forma eficaz e pode representar frases como: “Te olhar me faz bem”; “Tenho boas intenções”, “Sou amigável”.

CP – O que não é permitido?

Camargo – No trabalho evite qualquer tipo de exageros, tanto no vestir como no gestual. A discrição é fundamental em muitas empresas. Roupas justas, curtas demais, multicoloridas, cabelos “moicanos” devem ser evitados.

CP – Pode acontecer de os gestos e as atitudes transparecerem uma coisa e quererem expressar outra?O que fazer?

Camargo – Neste caso, existe um conflito. Normalmente, não necessitamos fazer muitas coisas quando isso ocorre. Basta o bom senso, mesmo quando o conflito for intenso. Mas cuidado, muitas vezes, achamos a roupa da pessoa horrível e ao elogiarmos a nossa face transparece o nojo. Ela pode perceber isso.

CP – Como a linguagem corporal pode ser usada a favor de um candidato a uma vaga de emprego?

Camargo – O processo funciona em mão dupla. Se você for o entrevistado, deve utilizar todo conhecimento de linguagem corporal para convencer. No caso contrário também é válido: procure reconhecer as mensagens que o candidato passa ou tenta passar. Outro dado importante que é avaliado durante todo o processo de entrevistas é o nervosismo do candidato. Trata-se de um fato natural, muitas vezes, o candidato está desempregado há tempos, portanto é normal que existam fortes níveis de tensão.

CP – Qual a postura de um profissional confiante?

Camargo – Tronco ereto, olhar direto nos olhos do interlocutor, cabeça com o queixo na horizontal (para cima transmite arrogância). Aperto de mão firme. Fala decidida, sem afetações. Um bom exemplo desta postura é a do presidente Barack Obama.

CP – Quando algo não está bem com o colaborador, de que forma o corpo expressa isso?

Camargo – Depende muito do estado de ânimo do mesmo. A tristeza se apresenta pelos ombros caídos, fala arrastada, roupas desalinhadas, olhar distante, sobrancelhas caídas nos bordes exteriores, canto da boa caído. A tensão se expressa por rugas verticais entre as sobrancelhas. Na raiva existe o afinamento dos lábios.

CP – E quando alguém está mentindo?

Camargo – Todos os sinais estão ligados à ansiedade e tensão de quando se fala uma mentira. Nem sempre é fácil avaliar a mentira por meio de microexpressões, elas ocorrem em um quarto de segundo. São rápidas demais para que o olho humano observe com precisão. É reconfortante ver o policial das séries americanas observar de imediato as microexpressões nas faces e concluir rapidamente. Pura ficção científica no estrito termo da palavra. Porque a linguagem corporal é uma ciência.

CP – E a postura do chefe, é possível traduzi-la através da linguagem corporal?

Camargo – Sim. Saber ouvir e falar no tempo certo, agregar pessoas ao seu redor, uma postura ereta, ser seletivo e não invasivo, aperto de mão firme, olho no olho do interlocutor, tom de voz constante são alguns dos sinais de um bom líder.

Tags: entrevista, Linguagem corporal, Paulo Sérgio de Camargo