Escolha uma Página

Linguagem Corporal

Liderança

 

Prólogo

Estocolmo, Estádio Råsunda. Dia 29 de junho de 1958. Brasil X Suécia.

Naquele dia o Brasil ainda era um país semi-industrializado, onde a condição dos negros não era das melhores. Ao chegar à final da Copa a seleção brasileira enfrentaria os suecos que segundo notícias da época estavam treinados fisicamente de maneira científica para enfrentar qualquer adversário – eram os virtuais campeões do mundo. Logo no início do jogo, aos 3 minutos, Liedholm, faz o primeiro gol da equipe da casa, como dizem os locutores esportivos.

Nos segundos seguintes Didi pega a bola e caminha para o centro do gramado. Armando Nogueira, brilhante comentarista escreve sobre aqueles passos: “ Didi caminha com o porte de um rei negro de nação africana.”

Fala algo para Garrincha e ao ser dada a saída lança a bola para ele, que de imediato aparece na frente do gol sueco.

 http://www.youtube.com/watch?v=P0G9IkzcGfk&;list=HL1339420048&feature=mh_lolz

 Tudo que vemos nestes poucos segundos é a postura de um verdadeiro líder. Além da postura: a atitude, não se intimida diante da adversidade. Merecia uma estátua.

 

 Linguagem corporal e Liderança

Há anos estudo a linguagem corporal, tantos dos grandes líderes mundiais como os do meio empresarial. Existem inúmeras diferenças entre os de postura democrática daqueles que são ditadores. Nos próximos artigos escreverei mais sobre isto.

A mensagem corporal que um líder passa é extremamente importante, sendo assim é possível e necessário treinar as pessoas para utilizarem a postura corporal para aprimorar e desenvolver melhor a técnica de liderar.

Evidente que existe os líderes que já nascem desta maneira, mas liderança pode ser aprendida e treinada e a linguagem não verbal deveria fazer parte disto. Deveria, mas nem sempre faz.

 

A postura

Trata-se de uma das mais importantes maneiras de transmitir confiança. Observe novamente o jogador Didi (merecia uma estátua). Os ombros estão erguidos, o queixo na horizontal, os braços acompanham o andar seguro e firme; em nenhum momento ele abaixa a cabeça. Encara diretamente o adversário.

No meu entender não existe melhor exemplo do que este para demonstar a postura de um verdadeiro líder, especialmente em um momento de crise. A atitude é de energia com serenidade, de confiança naquilo que precisa ser feito.

Qualquer que seja a situação, se você deseja mostrar a postura de líder, faça como Didi: foram 27 passos, precisos, seguros; naquele momento se tornou o centro da atenção no estádio, os jogadores brasileiros tinham em quem confiar.

Portanto: ande, caminhe de modo confiante, não corra, não se afobe, olhe para frente com o queixo na horizontal, não curve os ombros. Caso estiver sentado, estufe ligeiramente o peito, se ajeite na cadeira antes de levantar. Não erga o queixo, o sinal é de arrogância.

Muitos líderes, especialmente os de baixa estatura, fazem aquilo que chamo de “andar do boneco assassino”: com intuito de ampliar a área corporal, abrem os braços e movimentam os ombros para frente e para trás. Esta postura é muito observada a guardas e policiais que desejam mostrar autoridade. Ao observar isto de forma mais atenta, percebemos o ridículo da situação. Evite.

 

Fale com as mãos.

As mãos são poderosos instrumentos que auxiliam imensamente a fala. Algumas vezes até mesmo substituem. Em lugares amplos em determinados momentos as pessoas não escutam o líder, mas são capazes de entender e perceber o gestual das mãos. As mensagens com as mãos são extremamente poderosas quando bem direcionadas. No meu livro “Linguagem corporal. Técnicas para aprimorar relacionamentos pessoais e profissionais”; explico alguns destes gestos.

Estudos de neurociência mostram que a região do cérebro chamada área de Broca, essencial para a fala, também é acionada quando gesticulamos; assim a mensagem é passada com mais intensidade.

 

Os olhos

Mantenha sempre contato visual com as pessoas. Especialmente quando alguém estiver falando. Indica alto nível de interesse. Olhe para as pessoas com respeito e admiração, certamente elas vão retribuir isto. Dizem que os olhos são os espelhos da alma, portanto você vai passar aquilo que está sentindo para os demais.

 

Roupas

O exemplo mais claro da importância das vestimentas é o do ex-presidente Lula. Entre outras coisas, somente se elegeu quando mudou por completo o visual pelas mãos do publicitário Duda Mendonça.

O visual é muito importante, além da roupa, a aparência pessoal, corte de cabelo, limpeza, dentes etc., contam muito para ampliar sua credibilidade.

 

Sorria

O sorriso enviado ao outro é uma poderosa mensagem: “te olhar me faz bem”; “não tenho intenções agressivas com você”. O sorriso franco facilita os contatos, abrem portas. Evite o sorriso falso (no site da IG ensino a diferença entre o verdadeiro e o falso; embora este não seja de todo ruim em determinados momentos.)

 obama

 

Palmas das mãos à mostra

Trata-se de um sinal de sinceridade. Com os polegares voltados para cima, indicam vontade, energia, capacidade de levar em frente tudo que diz. Normalmente quando as mesmas são expostas, nossa postura é aberta, ou seja, “estou pronto para te receber, para te abraçar”. No Brasil um dos especialistas neste gesto é o animador Sílvio Santo, normalmente fala com as palmas das mãos expostas como se fosse abraçar a plateia.

Tente imprimir energias nas mãos, mas cuidado com os exageros.

 Silvio santos

 

Aperto de mão

O aperto de mão é essencial para a aproximação das pessoas. Indica que estamos em concordância com o outro. É praticamente impossível para um líder apertar a mão de todos diante de multidões. Alguns escolhem aleatoriamente alguém e o cumprimentam “em nome de todos”. Outros caminham tocando as mãos de todos em forma de tapinhas, como fazem os jogadores de vôlei no final das partidas.

Existem vários tipos de apertos de mãos, são explicados em outros artigos e nos meus livros. Contudo, o mais importante é tocar o subordinado.

 

Chame pelo nome

Napoleão Bonaparte passava em revista as tropas quando olhou para um de seus soldados, veterano de guerra, aproximou-se e o chamou pelo nome: “Eu te vi em Marengo, no comando de um posto de artilharia.” O soldado sorriu com lágrimas nos olhos. O detalhe é que a Batalha de Marengo (14 de junho de 1800), uma das mais importantes ocorridas no período napoleônica, acontecerá há mais de 10 anos.

Chamar as pessoas pelo nome cria empatia, dá importância especial a quem tem o nome citado pelo líder. Conhecer os subordinados e parceiros pelo nome é essencial para o líder.

 

Escute sempre

“A natureza nos deu dois ouvidos e apenas uma boca para que ouvíssemos mais e falássemos menos” – Zenão.

Escutar é uma arte. Evidente que o bom líder muitas vezes vai falar mais do que ouvir; mas quando for ouvir, o líder necessita focar intensamente no interlocutor. Nada mais desagradável para quem falar de ver seu chefe continuar teclando, vendo e-mails, mexendo nos papéis etc. Em suma: preste atenção no outro, faça-o sentir que aquilo que diz é importante, que ele é importante.

 

Tom de voz

Procure manter o tom de voz sempre no mesmo nível, de ênfase naquilo que considera mais importante. Não se altere, não grite e nem mostre sinais de raiva. A voz é um dos principais elementos para enviarmos mensagens não verbais. Em determinados momentos o mais importante não é o que você está falando e sim “como está falando”. A voz é passível de treinamentos por especialistas, pena que muitos líderes empresariais desprezam isto.

 

Sintonize a linguagem corporal com a verbal

O ex-governador do Distrito Federal em um comício disse que perdoava todos àqueles que o acusaram; contudo a gesto com a cabeça era de negação. Ou seja, a mensagem carecia de total credibilidade; de maneira consciente ou consciente, as pessoas percebem que não existe coerência naquilo que está sendo dito.

Quando a linguagem corporal concorda com a verbal, a credibilidade do líder tende a ser mais intensa.

 

 

Realize o espelhamento corporal e verbal

Trata-se de uma técnica simples, contudo é preciso muita experiência e treinamento para não cair no ridículo. Nos próximos artigos vou desenvolver mais este tema.

 

Final

O assunto não se esgota por aqui, ao contrário; o campo é muito vasto. Nos próximos artigos vou escrever mais sobre o tema liderança e linguagem corporal.

Na palestra “Formas de aprimorar a liderança empresarial por meio da linguagem corporal.” descrevo estes e outros conceitos práticos do tema.

 

Em tempo:  A seleção de 58:

Gilmar, Djalma Santos, Bellini, Orlando e Nilton Santos; Zito e Didi (merecia uma estátua); Garrincha, Pelé, Vavá e Zagallo.

 

Sobre Didi, Paulo Mendes Campos sintetizou com precisão, como eram os passes do mestre, “O futebol de Didi é lento, sofrido, difícil, inspirado, idealista. Eis um homem que quase achou o que não existe: perfeição”. (Gigantes da bolahttp://www.cronopios.com.br/site/artigos.asp?id=5058)