Escolha uma Página

                Gestos de confiança

 Gestos de confiança, como o próprio nome diz, são aqueles que a pessoa deseja demonstrar aos demais sua capacidade de autoconfiança. Isto ocorre de modo consciente e inconsciente. Quando mais espontâneo for o gesto, certamente passará maior credibilidade.

Existem dezenas de motivos pelos qual a pessoa quer se mostrar autoconfiante em relação aos demais, a uma situação momentânea e até mesmo de forma específica a determinada pessoa no grupo.

É possível, por meio de treinamentos específicos, passar aos demais a imagem de confiança em si, por meio de gestos. Os mesmos são incorporados e passam a fazer parte do gestual da pessoa. Isto é positivo, especialmente em casos de políticos, apresentadores, atores, presidentes de empresas, diretores etc. Mais do que isto, qualquer pessoa que interaja com outras certamente vai aprimorar o relacionamento quando demonstra confiança nos contatos.

Evidente que o estado de espírito vai influir de maneira decisiva neste processo, contudo mesmo não estando bem interiormente, os gestos enviados podem influenciar de maneira decisiva que os observa. Aqui é bom recordar um dos parâmetros do estudo os gestos: “o importante é como a pessoa que observa interpreta o gesto enviado”.

São centenas de gestos ou microgestos que ocorrem simultaneamente em todo o corpo, a quantidade e qualidade varia de pessoa para pessoa.

Algumas vezes é muito fácil de observarmos “gestos contraditórios” de confiança e insegurança ao mesmo tempo. A pessoa é bastante confiante em si, contudo em determinada situação ou até mesmo momento, a mesma fica totalmente insegura. É certo que pode se recuperar em alguns segundos, mas os gestos de hesitação apareceram. Debatedores mais perspicazes consegue observar isto com facilidade nos interlocutores e muitas vezes passam a agir de imediato naquilo que consideram deficiências.

Os gestos de confiança aparecem nas mãos, tronco, cabeça, pernas, olhos sobrancelhas etc. Sem contar a entonação da voz, que muitas vezes é um poderoso instrumento de passar credibilidade aos demais.

Longe de terminar o assunto, descrevo abaixo alguns destes gestos que observamos de maneira cotidiana. Embora enumerados, os gestos não são observados de maneira isolada.

   1. O queixo.

O queixo, assim como o tronco e ombros, é por demais importante na observação e avaliação da confiança que a pessoa tenta passar. Certamente são os mais fáceis para serem interpretados.

Observe de maneira atenta a posição do queixo:

– Paralelo ao chão. Equilíbrio, serenidade. Capacidade de debater sem grandes afetações. Evidente que temos que conjugar isto com os olhos e sobrancelhas.

– Olhando para o chão. Caso a cabeça pareça caída, indica desânimo, falta de vontade. A pessoa não tem capacidade de encarar o outro (ou os problemas) de frente. Insegurança e falta de vontade.

– Queixo para cima. Normalmente a interpretação inicial é a de orgulho, confiança, vontade, superioridade. Todavia quando se ergue um pouco mais é sinal de orgulho desmedido, arrogância, desprezo etc. A pessoa tenta olhar o interlocutor “de cima”. Evidente que é um gesto a ser evitado, o ar de superioridade não é o ideal nas negociações, vendas e relações interpessoais.

 

   1. Tronco

Mesmo sem noção de qualquer técnica de linguagem corporal as pessoas reconhecem o estado de ânimo no tronco quase de imediato. De forma intuitiva e inconsciente, erguemos os ombros e o estufamos o tronco quando queremos mostrar confiança. Há alguns anos na praia, observei um adolescente de mãos dadas com a namorada no calçadão de Copacabana. Pois bem, o “raquítico menino”, como ombros caídos, quase que de imediato estufou o peito e ergueu os ombros ao passar perto de um grupo de rapazes.

Para alguns autores o tronco indica o “ego”, o eu. Sua inflação ou encolhimento mostraria o estado de espirito da pessoa.

– Ombros paralelos ao chão. Controle das energias e da vontade. Equilíbrio e habilidade para responder de forma controlada os desafios. Confiança sem exageros. Bom tônus vital.

– Ombros caídos. Desânimo, falta de vontade, pouco energia e capacidade para enfrentar o mundo. Derrota, desalento. Tristeza, cansaço físico ou mental. Falta de tônus. Desinteresse e apatia diante da realidade ou do que observa. Em termos emocionais a pessoa tende a ser obediente, serviçal e bastante resignada. Postura de vítima. A pessoa se sente abandonada diante daquele que deveria cuidar dela. Solidão, incapacidade de assumir seus compromissos. Tendência a aceita ordens com facilidade e sem contestar. Medo. Retraimento. Insegurança e submissão. Precisa ser conduzido. Dificilmente é capaz de qualquer tipo de enfrentamento. Sinais de depressão, contudo o especialista em linguagem corporal não faz qualquer tipo de diagnóstico.

– Ombros erguidos e peito estufado. Vontade. Necessidade de mostrar poder, de dominar o entorno que vive. Ego inflado, ousadia. Sentido de prontidão. Enfrentamento dos demais. Tensão, rigidez, firmeza e agressividade em alguns casos. Autoconfiança exagerada. Mostra-se desafiador, lutador. Sentimentos de orgulho, otimismo. Confronto com o mundo e àqueles que estão a sua frente. Gosta de ter opiniões pessoais fortes, ter a última palavra, ser radical e muitas vezes se porta como o “dono da verdade”. “Coração de gelo”, Necessidade de levar a vida de forma heroica e grandiosa. Deseja ser maior que os demais e normalmente não aceita papéis que considera secundários. Alto nível de competitividade e escassa habilidade para ceder quando se faz necessário. Não gosta de mostrar suas inseguranças aos demais, por isto quer parecer insensível a todos.

 

     2. Andar do boneco assassino

Evidente que pouco conseguem caminhar como Gary Cooper ou Sharon Stone, mas somos como verdadeiro pavões. Tanto homens como mulheres quando caminham mostram várias facetas de seus comportamentos. Experiências em laboratórios evidenciam com facilidade a postura do quadril feminino quando as mulheres caminham em diferentes condições. Estudos comprovaram a importância do corpo e dos movimentos nas relações interpessoais e sociais.

Muitos líderes mundiais, personalidades, artistas etc.; fazem este gesto. O tronco estufa, o ombros se erguem e os braços tendem a se abrir mais que o normal. A pessoa quer ocupar um espaço maior. Ao caminhar os ombros e os braços também se mexem para frente e para trás. Comparo este movimento de “mostrar poder” (nos ombros) ao movimento de “mostrar sensualidade” quando as mulheres mexem os quadris.

Algumas homens depois de estufarem o peito, levantam as duas mãos e abotoam a paletó de maneira imaginária ou ajeita do mesmo modo a gravata, alguns até mesmo passam as mãos no tronco, como se mostrassem “eu sou bonito e todo poderoso”. Muitos estão enfastiados de “si mesmo”.

 

         3. Leão de chácara

Esta postura é vista quando o segurança cruza os braços e “planta” os pés no chão. “Daqui você não passa, daqui ninguém me tira.” “Eu sou todo poderoso.” “Sou o dono do pedaço.”

Alguns dos gestos descritos acima são exageros de autoconfiança. Observe a tensão nas mãos, nas faces e em todo o corpo. Quando mais tensa a pessoa, na realidade poder ser maior a insegurança, embora tente passar a autoconfiança.

Roer unhas, torcer os dedos, esconder as mãos, exagerar no autocontato pode ser indicativo de insegurança.

Também não se esqueça de avaliar todo o corpo, mãos, olhos, pernas etc.

 

 Exemplo 01

 Observe o andar do piloto dos astronautas no vídeo. Em 0.37 seg.

 O movimento de cabeça do astronauta em 0.39 seg. fala por si.

http://www.youtube.com/watch?v=ZPn-lTytfGo

 

Exemplo 02

 Veja a postura dos dois lutadores. 1.11 seg.

http://www.youtube.com/watch?v=XDI-glq_NGY

 

Exemplo 03

Observe os andar de todos os envolvidos.

http://www.youtube.com/watch?v=4YcFpU6cR4w

 

 Como escrevi, os sinais são os mais diversos, nos próximos artigos vou escrever sobre os sinais de quem deseja dominar os demais.