LINGUAGEM CORPORAL PARA FORÇAS DE SEGURANÇA – IV parte. Post 140 07.2106

Duper’s Delight – A linguagem corporal do trapaceiro Post 139 07.216
28/07/2016
Linguagem corporal de Eduardo Cunha e Cláudia Cunha. Post 141 09.2016
16/09/2016
Show all

LINGUAGEM CORPORAL PARA FORÇAS DE SEGURANÇA – IV parte. Post 140 07.2016

Como identificar pessoas

 segurança

 

Nos artigos anteriores observamos uma série de medidas que o especialista em linguagem corporal utiliza em termos de forças de segurança.

Para pessoas comuns que não estão ligadas a esta área, os artigos servem como curiosidade ou até mesmo para que possam estudar mais e se especializarem no estudo da linguagem corporal.

Não cabe ao cidadão comum identificar terroristas, criminosos etc. Este papel é do Estado. Como disse, caso encontre um pacote suspeito ou observe algo de estranho, comunique as autoridades, mas nada além disto. O leigo não está preparado para agir e atuar.

Neste tipo de trabalho não existem heróis, existe profissionalismo, trabalho em equipe, treinamentos, aperfeiçoamentos constantes. Atitude e mentalidade de segurança. Fora isto é amadorismo. No mais boa leitura!

 

Dois tipos de observação

Estes dois tipos de observação estão intimamente ligados ao artigo anterior – I Parte desta série.

No livro “Le geste et la parole”, Gourhan Leroy (1964) nos mostra de duas maneiras diversas como observar o espaço.

 

A visão de larga extensão que corresponde àquela do pássaro, do corpo imóvel. Nesse caso trata-se da visão receptiva, circular e global, que se irradia a partir de um ponto de observação imóvel: observação passiva.

A visão itinerante que o observador compara a de um cão atravessando a estrada com o seu faro. Trata-se de uma visão sensorial que utiliza os odores e os músculos, na realidade uma visão ativa e linear.

Essa observação é de suma importância para que a especialista capte os detalhes importantes, muitas vezes quase imperceptíveis para olhos não treinados, isto é, “encontre-se” e interaja com àquilo que observa.

Lembro que a observação muitas vezes é dinâmica, ou seja, o suspeito está em pleno movimento, interagindo com pessoas e até mesmo se esconde de câmeras.

Outro detalhe importante é que o suspeito desaparece em “pontos mortos”, como por exemplo, banheiros, salas etc.

Portanto os dois tipos de visão se alternam de maneira rápida. O suspeito está sendo avaliado na visão itinerante e desaparece na multidão, imediatamente o especialista em linguagem corporal para a utilizar a visão de larga extensão, ou seja, a do pássaro. Necessita novamente focar e encontrar o suspeito.

 

Observe na visão de larga extensão:

– Linhas gerais

– Movimentos dos suspeitos

– Estão sozinhos ou acompanhados

– Gênero (masculino ou feminino)

– Cores das roupas – Especialmente as calças

 

Na visão itinerante:

– Idade

– Origem – asiático, negro, branco etc.

– Cor do cabelo

– Altura

– Peso

– Complexão física

– Roupas

– Acessórios

 

Cuidados especiais:

– Não se atenha a estereótipos

– A eficácia na observação só ocorre após muitos treinamentos e vivências

– Não se precipite

– Seja rápido

– Tome as providências de imediato

– Processe novas informações

 

É neste momento que a técnica de observação começa a funcionar em sua plenitude e também é o momento em que os processos “intuitivos” aliados aos técnicos afloram em sua máxima intensidade. Nos próximos capítulos vou falar sobre os “processos intuitivos” que não existem tal como pensamos.

A combinação desses dois tipos de visão é que nos leva a uma observação mais precisa do suspeito.

Relacione e inter-relacione tudo aquilo que foi observado para ampliar a gama de conclusões. Seja rápido.

 

Técnica do travamento

No momento de realizar os dois tipos de observações utilize a técnica de travamento, observa uma ou duas particularidades inerentes ao suspeito, especialmente naquilo que diz respeito ao corpo, tanto na movimentação como na parte física.

Certa vez observei que determinado suspeito tinha uma espécie de verruga no lado esquerdo o olho.

Veja a seguinte descrição:

– Homem, cerca de 45 anos, branco, cabelos escuros, calça jeans e camiseta.

Em uma avenida com a Paulista em São Paulo naquele momento em que milhares de pessoas transitam como se fossem um verdadeiro formigueiro, é mais do que provável que muitos homens se encaixem nesta descrição.

Portanto, apesar de precisa e de grande valia, nem sempre vamos conseguir aproveitar estas informações em tempo hábil.

Na técnica do travamento você individualiza a pessoa.

– Homem com uma verruga no canto esquerdo o olho.

– Homem com tatuagem de águia na mão esquerda.

– Homem com cicatriz no queixo.

 

É bem verdade que podem existir pessoas com as mesmas características descritas acima, mas com um ou dois “travamentos” você diminui e muito a quantidade de suspeitos a serem procurados.

 

Acessórios também servem para você realizar o travamento, mas…

– Homem como uma bolsa marrom.

Perfeito, mas se ele deixar a bolsa em algum canto o travamento se perde.

Convém lembrar que o especialista pode e deve citar a bolsa, mas não utilizá-la como técnica de travamento.

– Brinco na orelha esquerda.

Novamente, o suspeito pode tirar o brinco, assim como trocar de camisa, virar a mesma do avesso etc.

A tatuagem é um ótimo indicativo, mas normalmente os suspeitos procuram ocultá-las de antemão.

 

Os lábios femininos também são avaliados, todavia cuidado, muitas mulheres simplesmente soltam os cabelos e pintam os lábios em menos de 5 segundos. Colocando um cachecol e/ou tirando os óculos, pronto, é “outra pessoa”.

Evidente que toda e qualquer situação precisa ser avaliada dentro de um contexto. Local fechado ou aberto, tipo de público, forças de segurança envolvidas, duração do evento, quantidade de pessoas, possíveis tipos de delitos etc.

Nos próximos artigos vou falar sobre a ilusão da atenção. Como nosso cérebro nos engana ou não somos tão espertos como pensamos.

 

 

 

 

Veja também:
Post 150. 05.2017 Linguagem corporal. Gestos de dominância. Determinação. 
Post 149. 05.2107 Linguagem corporal de Michel Temer no pronunciamento. 
Post 148. 05.2017 A linguagem corporal e os lábios torcidos.
Post 147. 05.2017 10 razões porque você precisa urgentemente aprender linguagem corporal.

Post 141 09.2016  Linguagem corporal de Eduardo Cunha e Cláudia Cunha.

 

 

Paulo Sergio de Camargo
Palestras – Cursos Linguagem Corporal – Perfis Grafológicos 

www.lingcorporal.com.br        http://grafonautas.blogspot.com/     http://twitter.com/Grafonauta
Loja Virtual – Livros de Grafologia   http://grafonauta.tudonavitrine.com.br/

Deixe uma resposta