Anderson Silva entregou a luta?

postado em: Artigos | 0

História

Na história da luta de boxe são inúmeros os exemplos que lutadores entregaram uma luta. O cinema sabe aproveitar muito bem estes fatos que são corriqueiros no mundo atual.

Para despertar o interesse do leitor, um bom artigo sempre deixa o desfecho para o final.
Mas antemão: Pela linguagem corporal Anderson Silva não entregou a luta. De maneira nenhuma.

Vejamos:

Teoricamente caso desejasse entregar a luta, o combate se prolongaria por vários assaltos. A encenação teria que ser proporcional ao logro. Não houve.

Vídeo 01

Nos primeiros momentos do filme ele coça o nariz e gagueja. São sinais típicos de mentira.

Quando fala em parar de lutar, observe entre os olhos as rugas que expressam a tensão a respeito do tema. Todavia o sorriso é o do trapaceiro.

Sábado, dia 06 de julho em uma entrevista para a Rádio Globo disse que ele não abandonaria a carreira. Há poucos dias uma nova luta foi marcada para o dia 28 de dezembro.

Vídeo 02

0. 21 seg. Os olhos descem para esquerda e para baixo. Vergonha.

0. 27 seg. “Eu respeito o que os fãs têm para dizer”. Na realidade ele não concorda com isto. Observe o maneio da cabeça negando aquilo que a boca afirma. Congele a imagem aos 27 seg. e observe os lábios: raiva.

Os olhos se movem para baixo e para à direta – recordar sentimentos.

Nesta mesma cena a negação continua, mas quando fala que luta porque ama o queixo se ergue: a mensagem é evidente: orgulho daquilo que faz.

0. 35 seg. A mão esquerda sob até o ombro como estivesse se abraçando. Trata-se de um “gesto adaptador” que serve para que a pessoa se acalme depois de uma experiência desagradável. (Knapp & Hall). Todavia, Joe Navarro, ex-agente do FBI, chama isto de comportamentos apaziguadores. Os mesmos ocorrem quando a pessoa está diante de uma experiência ameaçadora. (Joe Navarro, El cuerpo habla. Ed. Sirio, Buenos Aires)

A pessoa reage negativamente àquilo que o outro diz ou realiza.

0. 40 seg. A resposta é franca, direta, com um sorriso. O “não da boca” acompanha a negação da cabeça. Existe tensão na testa. Verdade. Alguns segundos depois o lado esquerdo da boca sob quase de maneira imperceptível. Desprezo pela situação.

1. 28 seg. Novamente um gesto apaziguador. Contudo, a mão no rosto pode ser interpretada como “não quer ver e nem pensar nesta situação”.

2. 01 seg. as mãos nos quadris. Trata-se de uma posição clássica da linguagem corporal. O gesto é chamado de “akimbo”. Desmond Morris diz: “costuma-se dizer que ela indica autoridade ou desafio, mas é mais do que isto.” Significa: “Mantenha a distância ou vou acertar você.” A pessoa assume automaticamente essa postura e inconscientemente de acordo com o seu estado de espírito. (Morris)

Em resumo: o americano que se prepare, existe total disposição para a luta.

Para ler mais:
http://en.wikipedia.org/wiki/Akimbo

Paulo Sergio de Camargo
http://grafonautas.blogspot.com/
http://twitter.com/Grafonauta

Deixe uma resposta